Por: Carlos Filipe | 08/04/2019

José Geraldo Juste. Zé Geraldo. Zegê. O menino hippie adorado pelos estudantes. O homem que queria ser o Bob Dylan brasileiro. O senhor que coleciona clássicos como Senhorita, Cidadão e Milho aos Pombos. A trajetória do mineiro de Rodeiro, que queria ser jogador de futebol, mas descobriu a música dentro de um hospital após um grave acidente de ônibus. E a sua próxima parada será em Urussanga, fazendo um show completo com sua banda, no Centro de Eventos da Matriz.

A data é 27 de abril, dia da empregada doméstica, trabalhadora guerreira que merece ver Zé Geraldo cantar um punhado de “música bunita”.

A carreira longeva de Zé Geraldo, hoje com mais de 70 anos, pode ser explicada por essa energia trocada com os fãs por todo o Brasil. No início sonhava em ser jogador de futebol, mas o jogo mudou quando tinha 22 anos. Foi nessa época que o ônibus que estava colidiu com uma carreta na BR-393. Mesmo internado com várias fraturas espalhadas pelo corpo se mantinha irrequieto, mas foi aí que um primo lhe presenteou com um violão. Não demorou para que o menino invadisse o campo da música e começasse a marcar os seus gols em versos inflamados e cheios de esperança.

As novas gerações talvez olhem para ele com certa ressalva. “Mas quem é esse senhor cabeludo vestido com roupas fora de moda e que parece estar preso aos anos 60?”. Embora preserve esse jeitão retrô, Zé está sempre em sintonia com os mais novos.

Tanto é que seu bloco de carnaval, Arrastão do Zé, ainda faz muito sucesso em sua terra-natal, em Minas Gerais.

Não são todos os cantores do Brasil que tem uma estátua com violão na entrada da cidade, muitos menos, milhares de fãs fieis em cada canto do Brasil. Zé Geraldo é super amigo do Dr. Valdir Cechinel filho, outro jovem sonhador, que saiu de Urussanga, cidade do interior e hoje é o reitor da Univali, em Itajaí, que tem mais alunos que toda população de sua cidade natal.

Quando soube do show, mandou reservar duas mesas para curtir Zé Geraldo de pertinho na terra mãe. A vida é isso, sofrida e bonita, por isso as canções do Zé não morrem nunca.

Data: 27 de abril

Cidade: Urussanga

Local: Centro de Eventos da Matriz

Ingressos: www.minhaentrada.com.br