Por: Litoral Sul | 08/01/2019

Alexandre Fenali Macarini, 17 anos, é campeão mundial de slackline –A conquista aconteceu no ano passado, na cidade de Munique, Alemanha. Em 2017, também na Alemanha, ele conquistou o terceiro lugar numa competição em dupla. No ano passado, em um evento individual com a participação de 16 atletas, ficou na terceira colocação. Já no mundial em dupla, Alexandre foi campeão.

Natural de Forquilhinha, ele pratica slackline há cinco anos, e conta que conheceu o esporte por meio do projeto Pés na Fita Cabeça na Escola comandado pela professora Jeanine Paris Miranda.

“Foi ela quem me convidou para participar. Fui e gostei. Confesso que foi algo que me surpreendeu muito, pois me abriu várias oportunidades. Uma delas foi ter participado dessa competição na Alemanha”, fala orgulhoso.

Treinos

Os treinos são puxados, segundo Alexandre em média quatro horas por dia. Ele conta que para as competições busca apoio e promove eventos para custear a viagens e comenta que no Brasil, o esporte tem um custo elevado. “As fitas e os outros acessórios são importado”, diz. Ele considera que a prática do slackline vêm crescendo e que em breve será reconhecido no Brasil, principalmente em competições.

Slackline

Também chamado de corda bamba, o esporte é baseado em uma fita de nylon presa a dois pontos, que fica geralmente a uma altura de 30 cm do chão. O praticante deve atravessar a corda, com elaborações de manobras e técnicas. Entre os atributos aplicados na modalidade estão o equilíbrio, concentração, coordenação motora e velocidade de reação.