Por: Litoral Sul | 14/09/2018

“Processos inclusivos no ensino superior”, “A educação inclusiva no espaço acadêmico sob a ótica da pessoa com deficiência”, “Autismo e a intervenção multiprofissional” e “A educação profissional e o acesso ao mundo do trabalho para as pessoas com deficiência” são alguns dos assuntos a serem debatidos na Unesc de 17 a 21 de setembro. No período, a Universidade recebe profissionais, professores e estudantes para a 2ª Semana da Pessoa com Deficiência, que terá como tema “Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva: 10 anos de luta para assegurar direitos”.

O evento tem como objetivo promover a discussão sobre a deficiência no campus, este ano destacando a importância da educação inclusiva. As atividades iniciam dia 17, às 10 horas, com a abertura da Sala Sensorial, localizada no hall do Bloco da Reitoria. A iniciativa, realizada em parceria com o curso de Artes Visuais, foi pensada como um recurso para potencializar a discussão sobre as deficiências.

A ideia não é o de fazer as pessoas experimentarem a deficiência, mas sim perceberem e valorizarem os sentidos humanos. Segundo a coordenadora da Secretaria da Diversidade e Políticas de Ações Afirmativas da Unesc, Janaína Damásio Vitório, o espaço possui objetos e situações que estimulam a percepção, hipervalorizam os sentidos para além dos sentidos que habitualmente utilizamos, oportunizando a reflexão sobre como percebemos o ambiente ao nosso redor.

Política Nacional de Educação Especial

A necessidade do fortalecimento da Política Nacional de Educação Especial estará no centro dos debates da semana. Segundo Janaína a legislação brasileira que trata do assunto é relativamente nova e há uma preocupação com a sua atuação efetiva e fortalecimento. “A nova lei que fala sobre a Política Nacional tem 10 anos e como sabemos que está havendo um retrocesso nas políticas públicas no país, existe a possibilidade de quererem alterar algo e por isso estamos propondo este diálogo. A intenção é formatarmos um documento para encaminhar aos órgãos competentes”, comenta.

Um dos pontos fortes do evento vai ser a participação de diferentes grupos nos debates, possibilitando que cada um exponha suas demandas e reflita junto alternativas para as mudanças necessárias.

Segundo a aluna de Psicologia da Unesc e estagiária de Psicologia Social na Secretaria da Diversidade, Daniela Cardoso de Oliveira, houve uma preocupação em ouvir e falar com públicos diferentes, incluindo acadêmicos com deficiência, professores e estudantes que estão se preparando para atuar em escolas nos próximos anos, como profissionais. “É interessante que eles saibam mais sobre as deficiências, vendo as perspectivas dos alunos e quais as demandas que temos no campus com pessoas que vivem isso diariamente, para ver o que pode se propor de mudanças à Instituição. Às vezes, algo bem simples pode ajudar muito”, afirma estagiária de Psicologia Social.

Já a coordenadora da Secretaria de Diversidade, complementa que o diálogo é importante, a legislação, as metodologias e os profissionais formados, mas as atitudes são igualmente valiosas. “Temos que romper as barreiras. O encontro com diversos grupos foi pensado para que elas percebam que às vezes, as atitudes são barreiras maiores que qualquer obstáculo físico”, ressalta Janaína.

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência (21/9) foi instituído em 14 de julho de 2005 e sua escolha está relacionada ao início da Primavera e coincide com o Dia da Árvore, datas que representam a renovação. Para o movimento social das pessoas com deficiência é data de renovar também a cidadania e a participação social.

Na Unesc, a data inspirou a criação da Semana da Pessoa com Deficiência, que em 2018 é organizada pelo CER (Centro Especializado em Reabilitação) e pela Secretaria de Diversidades e Políticas de Ações Afirmativas, juntamente com o Nuprevips (Núcleo de Prevenção às Violências e Promoção da Saúde), Setor de Arte e Cultura, cursos de Artes Visuais, de Psicologia e de Teatro da Universidade, Sama (Sala Multifuncional de Aprendizagem) e Núcleo de Saúde Coletiva.

A Semana conta ainda com a parceria do Codec (Conselho Municipal de Direitos da Pessoa Com Deficiência), Secretaria de Educação de Criciúma, Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e Sine (Sistema Nacional de Emprego) de Criciúma.