Por: Litoral Sul | 21/05/2018

A Administração Municipal esteve reunida nesta segunda-feira, no Paço Municipal Marcos Rovaris, com vereadores do município para debater sobre as filas de espera na saúde. No encontro, foi apresentado um relatório elaborado pela Secretaria de Saúde sobre a análise das demandas versus ofertas de consultas, exames e procedimentos em Criciúma.

Atualmente, a Secretaria de Saúde faz a regulação de 44 agendamentos de consultas exclusivas do município. Dessas, 30 agendas conseguem ter acesso em até 2 meses, representando 68%. Apenas 14 estão com tempo de espera acima de 2 meses, representando 32%. Já para os exames, 36 tipos têm espera em torno de 2 meses, quase 60% dos casos.

Para fechar o ciclo do atendimento – consulta, exame, procedimento cirúrgico – e, consequentemente, diminuir as filas, o município conta com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, responsável pelos procedimentos.

“O município investe recursos mas precisa que haja um comprometimento do Estado, para que o paciente faça a consulta, o exame e não precise esperar tanto para a realização de uma cirurgia. Se essa espera for muito longa, o exame perde a validade, precisando ser refeito, e o paciente volta para a fila de espera”, explica a secretária de Saúde, Francielle Gava.

A reunião entre Poder Executivo e Poder Legislativo definiu que a força-tarefa formada entre Administração Municipal e Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores, irá intensificar a cobrança junto ao Estado para a realização de procedimentos.

“O encaminhamento será com a marcação de uma audiência na Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina para que possamos desafogar o centro cirúrgico, reduzindo o número de cirurgias. O prefeito nos garantiu recursos para todos os exames que automaticamente diminuem as consultas, então, saímos com uma impressão muito boa dessa reunião e acreditamos que vamos caminhar para uma solução o mais rápido possível”, adiantou o presidente da Câmara de Vereadores, Julio Colombo.

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores, Paulo Ferrarezi, reafirmou que a situação depende do empenho de todos em busca de uma solução. “Vamos marcar uma reunião com o secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, para tentar solucionar a fila de cirurgia, para que tudo caminhe no mesmo ritmo: exames, consultas com especialistas e cirurgias. Esperamos que, em breve, tenhamos a solução deste problema em nossa cidade”, salientou o vereador.

O prefeito Clésio Salvaro solicitou que divergências e siglas partidárias fossem deixadas de lado, e que a união das forças prevalecesse para solucionar o problema. “Este é um momento em que precisamos nos unir para buscar uma solução o mais rápido possível. Não tem como não ficar indignado com essa situação. A interrupção no andamento dos atendimentos de saúde desrespeita o cidadão, gera desperdício de dinheiro, faz o paciente pular de uma fila para outra e aumenta o tempo de espera”, ressaltou o prefeito Clésio Salvaro.