Por: Carlos Filipe | 31/12/2018

No último dia de 2018, há quem comemore as conquistas, enquanto outros lamentam o que não alcançaram. Em comum entre esses grupos, a maioria das pessoas tem curiosidade para saber como será o próximo ano. Uma das formas de prever o que nos aguarda em 2019 são as cartas de tarô, que preveem que os próximos 12 meses serão melhores que os atuais.

Diferente de 2018, que foi marcado por dificuldades, o próximo ano será regido por Ogum. “Que é São Jorge, muito especial. As pessoas irão se fortalecer, tendo a postura de um guerreiro, para lutar, vencer e querer melhorar, com mais força e coragem, desde que saibam aproveitar as energias”, salienta a taróloga Gisele, do Núcleo de Orientação Espiritual de Criciúma. “Não haverá meio-termo. Quem fizer o bem e ajudar as pessoas, será muito bom. Mas quem usar para a maldade, terá o devido retorno”, comenta.

Guerra e paz

Para os comerciantes, será um ano de valorização dos funcionários. “É muito importante que tratem cada um com seus méritos e qualidades, elogiar e estreitar o convívio. Como é um ano de guerra, qualquer palavra mal colocada pode se tornar uma energia pesada para o ambiente”, avalia, lembrando que o número 3 aumenta as fofocas e intrigas. “É preciso trabalhar o amor, a conversa e não subestimar ninguém”, destaca.

Cidade de Criciúma

A taróloga aponta ainda as previsões para a cidade de Criciúma e o prefeito Clésio Salvaro. “Ele não gosta de dizer não para as pessoas e isso faz com que se sinta mal consigo mesmo. Assim, a própria saúde pode ter impactos desses fatos. É importante que o prefeito viva o hoje, pois está pensando muito no amanhã. Até o alimento pode vir com energias carregadas”, afirma.

O ano do Tigre

As cartas mostraram ainda que o presidente do Criciúma, Jaime Dal Farra, está no caminho certo, apesar das críticas de parte da torcida. “O começo terá muitos sustos, mas os pensamentos dele são bons. Já que ninguém quer assumir, respeitem a decisão e tentem apoiar, vendo as coisas pelo olhar do presidente”, considera, afirmando que os jogadores também terão que ser valorizados. “Se quiser ter uma série A, terá que fazer isso, tanto com quem está começando quanto com os que já têm uma carreira reconhecida”, conclui.

Santa Catarina

Em relação ao nome de Carlos Moisés da Silva, que governará Santa Catarina a partir de 2019, Gisele ressalta que as previsões apontavam que novas pessoas assumiriam. “Foi a melhor escolha, pois vai quebrar padrões antigos em algumas coisas que já são rotina. Temos muitas mudanças boas por vir, mas é importante que as pessoas vejam o lado bom. Foi uma disputa complicada e tende-se a ver o lado ruim e criticar, mas a parte dele está perfeita”, comenta.

Novo presidente

Sobre o governo de Jair Bolsonaro, que toma posse como presidente do Brasil nesta terça-feira (1º), a taróloga aponta boas intenções. “Ele tem muito medo de fazer errado, de não surpreender e não superar as expectativas das pessoas. Eles estão realmente dispostos a fazer diferente. Não apareceu nenhuma carta ruim, todas mostraram novos caminhos e uma força muito grande, nada ao contrário do que a população espera”, analisa, frisando que, se houver erros, não serão por más intenções.