Por: Litoral Sul | 06/02/2019

O Deputado Federal Daniel Freitas (PSL), participou da primeira reunião da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), nesta terça-feira em Brasília (DF). Entre os presentes, também estavam o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o líder do governo, Major Vitor Hugo, além de mais de 60 deputados e senadores que participaram do debate sobre as pautas do setor agropecuário.

Como um dos futuros integrantes da FPA, Freitas falou sobre seu engajamento e apoio ao setor. “Precisamos fomentar ainda mais a cadeia produtiva em Santa Catarina e no Brasil, investindo em programas que aumentem a competitividade do agronegócio, atraindo mais investimento e fortalecendo o setor”, disse ele.

O deputado catarinense ressaltou que o Estado é referência nacional e internacional no agronegócio, gerando mais de 700 mil empregos, que movimenta mais de R$ 61 bilhões, 29% do Produto Interno Bruto (PIB). Ainda segundo ele, no ano passado, o agronegócio foi responsável por 66% do total de exportações de Santa Catarina, com um faturamento que passa de 5,4 bilhões de dólares. “Além disso, a agricultura familiar já atinge 90% das propriedades rurais no Estado, sendo responsável pela produção de mais de 50% dos alimentos da cesta básica brasileira”, destacou.

Saiba mais

A FPA trata sobre todas as pautas do setor com os representantes do Congresso Nacional. O que é mais urgente, segundo os membros, é a regulamentação do frete, a questão do Código Florestal e do Funrural.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, trouxe o cenário atual da pasta que passou por reformulação. “Agradeço a indicação desta bancada para um dos maiores desafios que já recebi em minha vida pública. Estamos trabalhando a todo vapor e organizando a estrutura para garantir o desenvolvimento sustentável do setor que mais preserva no Brasil”, disse.

Entre as pautas mais debatidas, o fim do tabelamento do frete ganhou aliados na nova legislatura. Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal, manifestou disposição para trabalhar contra a medida que impacta diretamente o custo de produção. “Sou contrário ao frete mínimo e a bancada pode contar com o meu apoio para tratar sobre o tema no Congresso”, disse.

A FPA já conta com mais de 200 assinaturas para renovar seu registro junto à Câmara dos Deputados nesta legislatura.