Por: Litoral Sul | 15/05/2019
 Quando o caminhão da coleta seletiva chega na sede da Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Forquilhinha (Acafor), o olhar dos colaboradores se volta para o material que será descarregado. É do lixo que vem o sustento de 13 famílias que trabalham diretamente na Associação, que completa nesta terça-feira, 21, sete anos de atividades na cidade.
 Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui 
O associado da Acafor, Dernival Costa França, auxilia na separação dos materiais e limpeza do ambiente. Ele veio de Sergipe e está há cinco anos na associação.“Muitas pessoas não dão valor ao nosso trabalho, mas eu sinto orgulho em fazer parte desta Associação que contribui com o meio ambiente. O que arrecadamos com o lixo reciclável ajuda no sustento da minha casa”, disse ele, que mora com a esposa e os filhos.

Em Forquilhinha a coleta de resíduos recicláveis varia de 40 a 60 toneladas por mês. Apesar do número expressivo, a cidade possui o potencial para arrecadar ainda mais. “As pessoas precisam criar uma cultura de separar bem o seu lixo. E ter a consciência que esta atitude, além de ajudar o meio ambiente, garante o sustento de muitas famílias que precisam. De todo o material que a Acafor recebe, mais de 50% são descartados por uma separação incorreta dos lixos que chegam misturados com materiais orgânicos”, relata a coordenadora de Educação Ambiental da Fundação Municipal de Meio Ambiente (Fundaf), Daiani Rampinelli.
Acafor é modelo para os demais municípios
Segundo a superintendente da Fundaf, Lilian Arns, Forquilhinha se destaca nesta área. “O município foi um dos primeiros da região a concluir o plano de gerenciamento de resíduos e a implantar um sistema integrado de coleta seletiva, promovendo a inclusão social dos catadores e suas famílias”, ressalta.

O trabalho realizado pela Acafor serve de referência aos demais municípios. O local recebe visitas constantes de pessoas que querem conhecer melhor as atividades. “Aqui somos uma família e todas as tarefas são realizadas em equipe, desde a triagem até a prensa dos materiais que vão ser comercializados. Desejo que mais cidades adotem o nosso modelo de trabalho”, comenta Neusa Peron Machado, presidente da Acafor.
O Governo Municipal de Forquilhinha é parceiro da Acafor. O município cedeu o terreno para a realização dos trabalhos e a administração municipal contribui com as manutenções básicas do centro de triagem. “É uma via de mão dupla. Enquanto colaboramos com a Acafor, eles contribuem com a preservação do meio ambiente e a geração de empregos para as famílias do município”, afirma o prefeito Dimas Kammer.

O que separar
Plástico: Garrafas pet, sacolas, embalagens de produtos de higiene e limpeza, brinquedos e utensílios de plástico;
Vidro: Garrafas, potes, frascos de alimentos e produtos de higiene e limpeza;
Papel: Jornais, revistas, cadernos, folhas, listas telefônicas, caixas de papelão, embalagens longa vida;
Metais: Latas de bebidas, alimentos, panelas, talheres, bacias, objetos de cobre, zinco e ferro;
Isopor
Dicas
– Use pelo menos um saco ou caixa para os recicláveis e outro para o lixo orgânico;
– Lave e elimine restos de comida e bebida dos materiais recicláveis;
– Coloque para fora apenas no dia e hora da passagem do caminhão de coleta;
– Fique atento ao seu dia de coleta.
Coleta nos bairros
2ª e 6ª feira – Manhã:

Centro, Santa Ana e Santa Isabel.

2ª e 6ª feira  – Tarde:

Vila Lourdes, Clarissas, Santa Clara e Saturno.

3ª e 5ª feira – Manhã:

Ouro Negro, Nova York, Vila Franca e Passo de São Roque.

5ª feira – Tarde:

Santa Cruz, Santa Líbera, Vila Feltrin e Cidade Alta.

4ª feira – Manhã e Tarde:

Sanga do Café, Sanga do Coqueiro, Sanga do Engenho, Santa Terezinha, Santa Rosa, Faxinal, Barra da Sanga, São Pedro, Morro Comprido, Pique do Rio Cedro, São Gabriel, São Jorge, Taquara, Linha Eyng e São José.