Por: Maira Rabassa | 06/09/2019

CPI das Fakes News é instalada no Congresso Nacional

Foi instalada nessa semana a comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) das Fake News que vai investigar a veiculação de notícias falsas. Composta por 15 senadores e 15 deputados (e igual número de suplentes), a CPI mista terá 180 dias para investigar a criação de perfis falsos para influenciar as eleições do ano passado e ataques cibernéticos contra a democracia e o debate público.

A prática de ciberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis, também será investigada pelo colegiado, assim como o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

Prestação de contas do Fala Içara é levada aos moradores da região do Liri

A noite de ontem, quinta-feira, dia 5, foi de agradecimentos e sugestões no bairro Liri. Comunidade, Governo Municipal e entidades representativas, se reuniram para mais um encontro do projeto “Fala Içara”, uma iniciativa criada com o objetivo de ouvir a população içarense. Também participaram moradores e lideranças das comunidades Marili e Centenário. Demandas e agradecimentos relacionadas à saúde, educação e infraestrutura foram relatadas pelos moradores e respondidas pelos secretários do Governo. No total de investimentos em pavimentação, Liri, Centenário e Marili, receberam cerca de seis quilômetros de pavimentação. Além disso, o bairro Liri, também ganhou em 2018 uma nova Unidade de Saúde.  “A estrutura custou aos cofres públicos mais de R$ 540 mil, com recursos do Governo Federal e do Governo de Içara. A estrutura tem 415 metros quadrados de consultórios médicos, odontológico, de enfermagem e ginecológicos, entre outros serviços”, reforçou a secretária de Saúde Jaqueline dos Santos.

Continuidade e novas obras

Alguns moradores esclareceram dúvidas em relação às macrodrenagem do Rio Três Ribeirões, localizado na comunidade, que teve as obras paralisadas em função da desistência da empresa. “A Caixa Econômica Federal vai liberar a abertura de nova licitação. Vai ser a terceira, em virtude do abandono das três anteriores. Liberando, em 45 dias as obras serão retomadas”, adiantou o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Urbano Arnaldo Lodetti Júnior.

Nova Praça para a comunidade

Nos próximos meses, o bairro Marili também ganhará uma nova Praça. “Podem contar conosco, pois essa praça vai sair sim. Os recursos serão próprios. O projeto está pronto e será apresentado na comunidade em breve”, garantiu o chefe do executivo. Já o vereador Higor Robetti, que também estava presente no evento, divulgou a indicação realizada para a construção de uma Praça no bairro Liri, na área pública localizada próximo ao posto de saúde. “O projeto contempla pista de caminhada, bancos, academia ao ar livre, parquinho e uma quadra de esportes, além da iluminação e arborização”, destacou o vereador.  “Em breve o projeto, que será custeado pelo Governo de Içara, também será apresentado na comunidade para sugestões”, pontuou o secretário de Planejamento.

Editoras reagem a ato de censura promovido por Crivella na Bienal do Rio

Diversas editoras de livros brasileiras estão se manifestando nesta sexta, 06, contra o anúncio do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, de que censuraria exemplares do gibi “Vingadores – A Cruzada das Crianças”, expostos na Bienal do Rio, por conterem imagens de um beijo gay. Acompanhados pelo subsecretário de operações da Secretaria Municipal de Ordem Pública, o coronel Wolney Dias, fiscais visitaram a feira para verificar a denúncia de que livros impróprios para menores de idade estariam à venda.

Repúdio total

Poucas horas após a determinação, editoras foram às redes sociais protestar. Em comunicado divulgado à imprensa e publicado também na internet, a Companhia das Letras manifestou seu “repúdio a todo e qualquer ato de censura” e se posicionou “à favor da liberdade de expressão”. “Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria —que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual— tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz”, assina o fundador da empresa, Luiz Schwarcz.

Homofobia é crime

A Galera Record, selo do Grupo Editorial Record, publicou uma foto com diversos livros de temática LGBT distribuídos por ela, como o vencedor do Pulitzer “As Desventuras de Arthur Less”. “Homofobia é crime e acreditamos que o papel do Estado é incentivar a leitura e não criar barreiras que marginalizem uma parcela da população que já sofre com a intolerância”, diz a nota. “Nossos livros estão à venda no estande [da Bienal do Rio] e em todas as livrarias brasileiras, online e físicas. Vamos continuar lutando para que todos os jovens se vejam representados em nossas histórias.”

Negar a existência

De forma semelhante, a Intrínseca compartilhou nas redes sociais imagens de livros de seu catálogo, como “Me Chame pelo Seu Nome”, “Com Amor, Simon” e “E Se Fosse a Gente?”. “Em um mundo que nega nossa existência, os livros nos mostram a beleza de ser quem somos”, diz a publicação.

Arte sob ataque

Dedicada ao público infantojuvenil, a Plataforma 21, selo da V&R Editoras, diz que “a arte está sob ataque” e que “os livros e a literatura são a mais valiosa arma para vencer preconceitos e acabar com a desinformação”. A Rocco, também com amplo catálogo destinado aos jovens, tem usado as redes sociais desde o ocorrido para promover alguns de seus títulos com temática LGBT, como “A Bela e a Adormecida” e “A Garota Dinamarquesa”.

Aplicativo conecta quem precisa e quem tem sobras de materiais de construção

Fez uma reforma ou uma obra em casa e sobrou material de construção? Você pode destinar para o projeto Rever-Banco Social de Materiais de Construção, um aplicativo desenvolvido para receber essas doações e encaminhar para uma população previamente cadastrada. O projeto piloto foi lançado nessa quarta-feira pelo Governo de Içara e será gerido pela Secretaria de Assistência Social, Habitação, Trabalho e Renda.

Inciativa veio de ideia gaúcha

O Rever nasceu após uma visita da presidente do Departamento de Fomento a Atividades Inclusivas (FAI) Ceneli Gastaldon, e da secretária de Assistência Social, Gabitação, Trabalho e Renda, Fabiana do Amaral aos Bancos Sociais, iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS).

Cadastro prévio

Os cidadãos que não tem cadastro prévio na Secretaria de Assistência Social, também podem baixar o aplicativo, mas devem em seguida efetivar seus cadastros diretamente na sede do órgão, na Rua Donato Valvassori, 667, das 8h às 12h e das 13h às 17h.

O que pode ser doado

Fechaduras, telhas, pregos e parafusos, cimento e argamassa, tintas, materiais elétricos, pisos e azulejos, portas e janelas, esquadrias, torneiras e chuveiro, tubos e conexões, madeiras.