Por: Litoral Sul | 13/05/2019

O Aeroporto Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna, conta a partir desta segunda-feira, 13, com bombeiros formados no curso de combate a incêndio para aeródromos. O comando do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) contratou profissionais  aptos a atuar no local durante os horários de pouso e decolagem de aeronaves. A medida atende à solicitação de companhia aérea para retomar a operação no terminal.

“Hoje mesmo, a Latam e a Secretaria de Aviação Civil vão ser notificadas sobre a providência, solicitando uma nova vistoria. Tão logo a vistoria seja feita, a empresa será liberada para retomar os voos”, explica o governador Carlos Moisés. Ele valorizou a participação dos deputados federais Daniel Freitas, Geovania de Sá e Ricardo Guidi, que são do Sul do Estado, na busca pela solução ao impasse. O anúncio do remanejamento dos bombeiros foi feito pelo governador ao lado dos parlamentares, logo após uma reunião com o Fórum Parlamentar Catarinense, na Casa d’Agronômica.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui 

Agora, o Estado aguarda a retirada da Notam, documento que a companhia aérea Latam utiliza como argumento para não operar no aeroporto de Jaguaruna. “Hoje a Azul continua operando normalmente, e a Latam deve voltar a operar a partir do dia 19 de maio. Todas as providências estão encaminhadas para a retomada dos voos”, explica o comandante do CBMSC, coronel Edupércio Pratts.

De acordo com ele, os bombeiros trabalharão no período da tarde, seis horas por dia, já que todos os pousos e decolagens da Azul e da Latam ocorrem entre 14h30min e 16h25. O caminhão de combate a incêndio está pronto para operar no terminal. Outros profissionais serão capacitados para assumir permanentemente a função em Jaguaruna.

Desde o início do impasse, o governador Carlos Moisés já havia determinado que a presença dos bombeiros seja mantida no aeroporto de Jaguaruna, independentemente de haver obrigatoriedade ou não. O objetivo, segundo Moisés, é garantir a segurança dos passageiros e atender às demandas das companhias aéreas, além de manter o terminal em condições para receber novos voos no futuro.