Por: SC Portais | 06/07/2018

O Sul no ENAI em Brasília

Os empresários Anselmo Freitas, Edilson Zanatta, Luiz Carlos Eyng e Nelzi Abel estão representando a região sulcatarinense no 11º Encontro Nacional da Indústria (ENAI), promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta semana, em Brasília (DF). O vice-presidente da Fiesc Regional Sul, Diomício Vidal, distribuiu nota agradecendo aos empresários que “acolheram a nossa solicitação para participar destes dois dias que é de vital importância”, representando a região.

Pensando a cidade

Não é de hoje que lideranças locais se reúnem para “pensar a cidade”. A diferença deste ano, para anteriores, é que estes encontros estão se multiplicando rapidamente. Mas o que se observa é o de sempre. São grupos isolados, que parecem não se comunicar entre si. Tanto que uns já estão até contatando a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para estudar um Planejamento Estratégico para a região, enquanto outros, no mesmo patamar, ou até acima, ainda não ouviram falar sobre o assunto.

A superação de David

O jornalista David Coimbra, colunista da Zero Hora, já passou por Criciúma, onde trabalhou no Jornal da Manhã. A poucos dias, David se superou em seus artigos  na ZH, analisando porque a Lava Jato só tinha um lugar para se desenvolver bem, no Brasil, no caso, na capital Curitiba.

Porque Curitiba

Escreve David: “A Lava-Jato só seria possível em Curitiba. Em São Paulo, ama-se muito o dinheiro para sediar uma operação desse tipo. No Rio, ama-se demais a malandragem”. E segue: “ Em Porto Alegre, a lava-Jato  também não vicejaria porque a cidade, como nenhuma outra do país, vive atormentada pela ideologia. Porto Alegre é a capital do fundamentalismo. Qualquer fundamentalismo.”

A nova casta

“Por estar longe demais das capitais, Curitiba teve tempo e ambiente para se transformar na matriz de uma nova casta de funcionários públicos que se formou no país. Eles estão em praticamente todos os Estados, mas em Curitiba tiveram tranquilidade para se desenvolver e, por fim, agir. São jovens sérios, honestos, modestos e trabalhadores, que querem o bem do Brasil. São quase monótonos, de tão certinhos. Como é Curitiba”.