Por: Litoral Sul | 07/06/2018

A Polícia Militar realizou a “Operação Pagamento” em pontos estratégicos da cidade. Foram cercos, varreduras, fiscalizações de bares, bloqueio relâmpago e barreiras Policiais, numa atividade realizada nos primeiros dias de cada mês.

Conforme o tenente Coronel Fraga do 9º BPM, trata-se de um conjunto de ações preventivas que visam impedir e dificultar as ações criminosas, voltadas, principalmente, aos crimes contra o patrimônio.

“Neste sentido, várias operações são desenvolvidas, em horários e locais, pré-definidos pela Equipe do Compostat do 9º BPM. As Ações da Polícia Militar, a Polícia Ostensiva da Ordem Pública, estão baseadas em três dimensões: prevenção ao crime, respostas as emergências e repressão qualificada, (análise criminal, inteligência policial, alocação de recursos e o acompanhamento constante dos resultados)”, revela. E destaca, para viabilizar estas operações estamos empregando, por mais quatro horas o efetivo de serviço operacional da Rádio Patrulha, o Grupo de Operações e o Policiamento Comunitário.

Denúncia de barreiras via WhatsApp é crime

Ainda conforme o tenente, ontem, enquanto a PM desenvolvia as operações, recebeu vários áudios de grupos de WhatsApp, onde os participantes denunciavam os posicionamentos das barreiras policiais.

“Mesmo assim, obtivemos êxitos nas prisões três homens, que haviam praticado um assalto, na região norte da cidade, após um breve acompanhamento tático realizado pela Guarnição do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT). Os assaltantes tinham como objetivo roubar um veículo Toyota Corolla, de um cliente do supermercado. Quem acompanha diariamente os noticiários policiais, originados da Central Regional de Emergências (CRE), deve lembrar que os veículos da marca Toyota, modelos Corolla e Hilux, nos últimos meses, tem sido, preferencialmente, os alvos de assaltantes”, finaliza.